PatriciaXimenes.com

Inspirações de uma Estrela!

Desencanto – Manuel Bandeira

Desencanto Eu faço versos como quem chora
De desalento... de desencanto...
Fecha o meu livro, se por agora
Não tens motivo nenhum de pranto.

Meu verso é sangue. Volúpia ardente...
Tristeza esparsa... remorso vão...
Dói-me nas veias. Amargo e quente,
Cai, gota a gota, do coração.

E neste versos de angústia rouca
Assim dos lábios a vida corre,
Deixando um acre sabor na boca.

-Eu faço versos como quem morre.

(Manuel Bandeira)

Em destaque:

Acompanhe:

Assine RSS Assine RSS
Seguir Patrícia no TwitterSeguir no Twitter

Recanto das LetrasRecanto das Letras

Receba o conteúdo!

Digite seu e-mail:

Links Favoritos

Fã Clube Elo - J.V.

Guilherme Arantes

Jorge Vercillo

Sublime Amor . Com
Divulgue-nos:

O melhor conteúdo cultural da internet